UNIVERSIDADES PÚBLICAS EM CRISE

Por Jornalismo Rede Nova - 08/08/2017

Muitas Universidades do país só têm dinheiro para pagar contas até setembro

Demissão de terceirizados, contas de luz acumuladas e obras de expansão paradas por falta de verba. Segundo reitores, esse é o cenário da maioria das universidades federais do país, mesmo cortando despesas, diante da redução dos repasses pelo governo. Depois da PEC do teto, a verba deve ser ainda mais apertada em 2018. Professores temem sucateamento e até fechamento de vagas.

ARVORE-2102-X-801

As universidades federais já acenderam o sinal de alerta: a verba disponível para manutenção é suficiente para pagar as contas somente até setembro. Os reitores das instituições de ensino superior avisam que a partir de outubro não vão ter mais dinheiro para arcar com as despesas.

O corte no orçamento para custeio das universidades foi de quase 7% este ano. Considerando a inflação do período, a verba é quase 13% menor. A estimativa é de que em 2017, o governo libere pouco mais de R$ 3 bilhões para as 63 instituições do país pagarem contas de água, de luz, salário de terceirizados, obras e bolsas de assistência estudantil.

Como o orçamento está menor, os reitores estão cortando despesas. Em junho, a Universidade de Brasília demitiu 175 terceirizados, entre porteiros, recepcionistas e trabalhadores da área de manutenção. Na Universidade Federal de Santa Maria, no Rio Grande do Sul, os cortes começaram em abril. Desde então, mais de 180 trabalhadores foram mandados embora.

Os estudantes que dependem de bolsa pra frequentar a universidade também sentem na pele. O professor Cláudio Ribeiro, do Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior, diz que o Programa Nacional de Assistência Estudantil foi um dos que mais sofreram com os cortes.

“A universidade se vê diante de uma escolha, como se fosse a escolha de Sofia: vai pagar os salários dos terceirizados ou pagar a bolsa do estudante? Ou pagar energia elétrica? Não podia ser uma escolha. A gente tem que pagar isso tudo dando condições reais de funcionamento das instituições.”

O presidente da comissão de orçamento da associação de reitores, professor Orlando do Amaral, está preocupado com a precarização das universidades, já que depois da PEC do teto não há previsão de maiores investimentos:

“Temos um orçamento deste ano que é insuficiente, que é menor do que do ano passado. Corrigi-lo pela inflação sem recuperar as perdas dos últimos anos absolutamente não vai resolver o problema em 2018. É totalmente insuficiente.”

Atividades de pesquisa, laboratórios e até os cursos de mestrado e de doutorado estão ameaçados. Associações de professores preocupadas com o futuro das universidades lançaram o movimento ‘Conhecimento sem cortes’, que monitora as tesouradas no orçamento das federais.