Governo bate recorde de liberação de agrotóxicos em 10 anos

Por Jornalismo Rede Nova - 23/07/2019

O Ministério da Agricultura aprovou nesta 2ª feira (22.jul.2019) o registro de 51 novos pesticidas, totalizando 262 de janeiro a julho. É o maior número para o período nos últimos 10 anos.

Até julho de 2018 ano em que foi registrado recorde de autorizações, 239 agrotóxicos haviam sido liberados.

Segundo o ministério, 44 dos novos produtos liberados nesta 2ª são genéricos. Ou seja, produtos equivalentes de princípios ativos já autorizados no país.

O órgão afirma que a aprovação de novos pesticidas tem como objetivo “disponibilizar alternativas de controle mais eficientes e com menor impacto ao meio ambiente e à saúde humana. Já a aprovação de produtos genéricos é para promover a concorrência no mercado de defensivos, o que faz cair o custo de produção”.

O ministério afirma ainda que, mesmo com aumento do registro de defensivos agrícolas, a venda desses produtos caiu nos últimos anos.

“O fato de haver mais marcas disponíveis no mercado não significa que vai aumentar o uso de defensivos no campo. O que determina o consumo é a existência ou não de pragas, doenças e plantas daninhas. Os agricultores querem usar cada vez menos em suas plantações, pois os defensivos são caros e representam 30% do custo de produção”,afirma o órgão.

Já ONGs que defendem a preservação do meio ambiente, como o Greenpeace, alegam que o governo quer “envenenar” o Brasil. E que a maioria dos agrotóxicos liberados são proibidos em vários países da União Européia.

Processo de registro de agrotóxicos

Para serem registrados, os pesticidas devem ser avaliados e aprovados pelo Ministério da Agricultura quanto à eficiência agronômica, pela Anvisa quanto ao impacto para a saúde humana e pelo Ibama quanto aos impactos ao meio ambiente.

De acordo com o ministério, há mais de 2.000 produtos na fila para serem avaliados e o prazo legal para a liberação é de 4 meses. No entanto, há produtos que estão na fila há mais de 8 anos.